Falsa campanha de vacinação contra COVID-19 propaga trojan bancário

Campanhas com temas que necessitam de extrema urgência são as mais utilizadas pelos cibercriminosos. Foto: Divulgação.

A ESET, empresa que atua na detecção proativa de ameaças, alerta sobre uma nova campanha de phishing que utiliza a vacina contra a COVID-19 como isca para infectar os dispositivos de uma grande quantidade de pessoas, principalmente no Brasil, propagando o trojan bancário Mekotio.

A campanha se inicia com um e-mail que se faz passar pelo Ministério da Saúde. Na mensagem, os criminosos solicitam que uma suposta ficha cadastral seja preenchida para que o agendamento da vacinação seja feito e a vítima receba, via SMS, o dia e o horário em que será vacinada.

E-mail enviado pelos cibercriminosos. Imagem: Divulgação.

 

Desde o início, é possível levantar suspeitas sobre o e-mail, começando pelo fato de que se o Ministério da Saúde tivesse realmente adotado uma postura de contato proativo com cidadãos para realizar um cadastro, essa informação seria amplamente noticiada na mídia de um modo geral, como em sites, jornais, propagandas etc.

Mas, mesmo que esse importante ponto não seja levado em consideração, a mensagem apresenta outros fatores que indicam se tratar de uma fraude, sendo o domínio do e-mail o mais perceptível deles.

Se o e-mail tivesse sido enviado pelo Ministério da Saúde, provavelmente teria a terminação “@saude.gov.br”, ou talvez de algum outro órgão relacionado ao governo, o que faria com que o contato tivesse em sua terminação algo com “gov.br”, e não um domínio de advocacia como foi o caso. Um ponto interessante a se observar sobre esse domínio, e que é bastante comum em ataques de phishing, é que este é um domínio forjado, ou seja, ele não existe de fato, é apenas um nome fictício criado pelos criminosos que enviaram essa campanha maliciosa.

Servidor vinculado ao e-mail. Imagem: Divulgação.

Um outro indicativo presente no e-mail que nos mostra que se trata de um golpe é o local onde o suposto formulário está armazenado. Passando o mouse por cima do link, é possível ver que o arquivo está hospedado em um endereço da nuvem da Microsoft, e não em um servidor vinculado ao Ministério da Saúde ou ao governo federal.

Caso a vítima clique no link, um arquivo de instalação (MSI) contendo o downloader do Mekotio será baixado, sendo este o primeiro estágio da infecção. No caso dessa variante específica, não houve nenhum tipo de camuflagem além dos dizeres do e-mail para esconder esse instalador. Ele é evidentemente diferente de um arquivo que poderia de fato conter um formulário para preenchimento, e isso não é comum. Mesmo com dizeres convincentes, os criminosos costumam esconder esse instalador dentro de arquivos do Word, Excel, PDFs e vários outros.

Ao executar o arquivo, uma instalação é exibida e não permite ao usuário interagir com ela. O processo apenas baixa e instala os próximos módulos do Mekotio para continuar com a infecção.

Campanhas parecidas, com temas que necessitam de extrema urgência, são as mais utilizadas pelos cibercriminosos. Para não ser vítima desses ataques que trazem temas delicados, é preciso levar em consideração alguns fatores.

Pense no contexto: vale a pena pensar por uns segundos sobre o tipo de informações que recebemos e analisar seu contexto. Algo tão significativo, uma campanha de cadastro on-line seria amplamente noticiada. Como não foi o caso, suspeitas devem ser postas sobre mensagens como essa.

Atente-se aos detalhes: aqui vai uma verdade sobre a maioria dos cibercriminosos: eles são preguiçosos. E o pior de tudo é que mesmo sendo preguiçosos eles fazem muitas vítimas exatamente pelo fato da maioria das pessoas não se atentarem a detalhes. Como no exemplo acima, se uma mensagem se diz ser do Ministério da Saúde e o domínio do e-mail enviado é @com.br, esta mensagem claramente não partiu da fonte da qual ela alega ser.

Tenha proteções: ter um software de proteção, como um antivírus, em todos os dispositivos, sejam eles tablets, smartphones, desktops ou notebooks, é uma excelente forma de impedir que tais ameaças sejam bem sucedidas.

Cuidado ao cadastrar seus dados: se criminosos estão enviando golpes a você por e-mail, SMS, WhatsApp ou qualquer outro meio, isso significa que eles tiveram acesso a essa informação de alguma maneira. Por isso, tenha muito cuidado ao preencher dados cadastrais e redobre a atenção se em algum momento do cadastro o formulário solicitar que você envie o formulário para pessoas da sua lista, pois pode ser um golpe.

Please follow and like us:
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
cropped-logo-1.png
TecnoInforme. 2020 © Todos os direitos reservados. Design by Renato Garcia
RSS
Follow by Email